Seccional de Cruzeiro assume investigação de falso médico responsável por amputação de vítima em Lavrinhas

A Seccional da Polícia Civil de Cruzeiro agora é responsável pelas investigações do falso médico, contratado por uma terceirizada da CCR Rio-SP, responsável pela amputação da perna de uma vítima, em Lavrinhas. O homem já responde por exercício ilegal da profissão desde dezembro.

Detido em Pindamonhangaba, na última terça-feira (15), Gerson Lavísio atuava como médico de uma empresa terceirizada contratada pela CCR Rio-SP e trabalhou na ocorrência do último domingo (13), que envolveu três caminhões. Um dos motoristas ficou preso nas ferragens e a definição do médico em amputar a perna do homem para retirá-lo causou questionamentos aos policiais rodoviários. Desencadeando a investigação que identificou o falso profissional de saúde.

Natural de Sorocaba, Lavísio tem um boletim de ocorrência contra ele aberto em dezembro de 2021em Parelheiros, distrito de São Paulo pela mesma prática. Ele foi detido pela PRF (Polícia Rodoviária Federal) na base da Concessionária, que também administra a rodovia Presidente Dutra. O acusado atuava com CRM (Conselho Regional de Medicina) falso de um médico já falecido. O investigado prestou depoimento e foi liberado no mesmo dia.

De acordo com o delegado, João Paulo de Oliveira Abreu, atual responsável pelo caso, as investigações seguem com a Seccional de Cruzeiro com uma previsão de receber informações solicitadas a CCR até esta sexta-feira. “Pedindo a escala de quem estava de serviço no dia 13, a qualificação de todo mundo. Pedimos para saber também quando esse médico foi contratado, a documentação que ele apresentou, desde quando estava fazendo o serviço e oficiamos o hospital de Lorena para pedir o prontuário médico da vítima”, frisou o delegado ao citar a necessidade das informação para poder encaminhar o prontuário e a vítima ao IML (Instituto Médico Legal) fazer o exame de corpo de delito. Na sequência, a Civil pretende ouvir os depoimentos dos envolvidos nesta semana.

Já a vítima, de 35 anos, socorrida ao Pronto Socorro Municipal de Lorena, segue internada sem riscos de morrer. Segundo a nota oficial da Santa Casa, que administra o hospital, a equipe multiprofissional especializada o diagnosticou com “politrauma, lesões visíveis em membros inferiores, iniciado protocolo de atendimento a paciente politraumatizado com avaliação das equipes de cirurgia geral e ortopedia, realização de exames de imagem e laboratório e medicações (trecho do documento)”.


O paciente foi encaminhado para uma cirurgia emergencial, segue com o tratamento recomendado pelos médicos com o estado de saúde estável, acordado e acompanhado por familiares. Sobre o atendimento pré-hospitalar realizado pela equipe da CCR, a Santa Casa preferiu não se manifestar por “questões éticas”.

Na última quarta-feira (16), o Cremesp (Conselho Regional de Medicina de São Paulo) denunciou Gerson Lavísio ao Ministério Público Federal por tentar aplicar uma fraude, quando pediu o registro médico com diploma falso de medicina.

A ANTT (Agência Nacional de Transportes Terrestres), reguladora de normas e toda a malha rodoviária, garantiu que está ciente, monitorando o assunto e que solicitará esclarecimentos à concessionária, porém, frisou que mediante contrato de concessão a agência “fiscaliza o tempo de atendimento de socorro médico em relação às ocorrências verificadas, cabendo à concessionária, a gestão da qualidade do serviço. A contratação dos profissionais que operam nos resgates fica a critério da concessionária”.
A CCR não encaminhou respostas a equipe de jornalismo do Jornal Atos até o fechamento desta edição.

Foto: Divulgação PRF

Fonte: Jornal Atos