Vacas, búfalos e porcos são encontrados em estado extremo de maus-tratos em Caraguatatuba

A PM Ambiental encontrou, no bairro Golfinho, em Caraguatatuba, durante a realização das Operações ‘Rodovia Mais Segura’ e ‘Carnaval’, na última sexta-feira (25), diversas vacas, búfalos e porcos submetidos a condições extremas de maus tratos. Os animais estavam feridos, com fome, doentes e em um ambiente totalmente insalubre.

A ação foi realizada por membros da 3ª Companhia de PM Ambiental Terrestre do 3° Batalhão de Policiamento Ambiental do Estado de São Paulo. A multa total passou dos R$ 33 mil.

De acordo com a PM Ambiental, os animais estavam tão abatidos que a situação se caracterizava pelas infrações de: falta de acompanhamento médico veterinário, alocação em terreno impróprio e desprovido de asseio, abrigarem insuficiente para a quantidade de animais presentes no local, indisposição de comida, indisposição de água, comedouros sujos e com restos de vegetais e frutas podres e ausência de gramíneas, que compõem a dieta das vacas e porcos. Além disso, alguns animais apresentavam debilidades físicas e fisionomia esquelética, com comportamento amuado e cheios de carrapatos.

Durante a fiscalização, uma mulher, de aproximadamente 36 anos, se apresentou como proprietária dos animais. A mulher não forneceu nenhuma documentação que comprovasse um acompanhamento médico aos bichos, como vacinas e remédios. Questionada sobre a alimentação dos animais, a proprietária trouxe apenas um quarto de um pacote de farelo.

Sobre a água e a higienização dos comedouros e bebedouros, ela disse que a reposição d’água e higienização dos potes era feita diariamente, mesmo com o quadro anteriormente encontrado pelos agentes.

Durante a fiscalização, quatro pessoas adentraram a propriedade, pelos fundos, para tentar afugentar os animais, tentando eliminar o auto de infração por parte das autoridades. Uma das quatro pessoas foi abordada e se identificou como filho da proprietária dos animais. Ele disse que realizou a ação pois não concordava com a apreensão dos animais.Ele recebeu um auto de infração ambiental por dificultar o trabalho da PM Ambiental, ferindo o artigo 72 da Resolução Sima 05/21. A multa tem o valor de R$ 500. As outras pessoas disseram que não tinham ligação com a mulher, mas tentaram ajudar o rapaz que disse que precisava auxiliar a mãe.

A multa à proprietária, incluindo todos os agravantes de crueldade, passou de R$ 33 mil. Por fim, ela disse que realizava a soltura diária dos animais pelo bairro. Porém, de acordo com a PM Ambiental, a região onde os animais foram encontrados enquadra-se em uma área urbana, tornando ilegal a criação defendida pela mulher, indo contra a instrução normativa n° 51, publicada no dia 1° de outubro de 2018 pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

Os profissionais fiscalizaram que os animais não estavam inseridos no SISBOV, o sistema sanitário que preconiza a identificação individual de bovinos e búfalos. A proprietária também não apresentou um cadastro técnico federal e nem um cadastro ambiental rural, indo contra a lei municipal n° 1144/1980, artigo 441, que proíbe a criação de fado no perímetro urbano sem regulamentação em Caraguatatuba. No total, oito bois, dois búfalos e um cavalo foram apreendidos. Porcos também foram encontrados em um chiqueiro completamente insalubre, mas a mulher disse que os suínos não eram de sua propriedade. Questionada, ela afirmou que não conhecia o dono dos porcos e não soube dizer como eles acabaram ficando ali. Apenas um porco foi apreendido, pois os outros fugiram.

Fonte: OVALE:

Fotos: Polícia Ambiental