Caso Marco Aurélio: Família de escoteiro que sumiu no Pico dos Marins há 36 anos divulga novo retrato de como ele pode estar

A família do escoteiro Marco Aurélio, que desapareceu em uma trilha no Pico dos Marins há 36 anos, divulgou um novo retrato de como ele pode estar atualmente. O jovem, na época com 15 anos, sumiu ao voltar por uma trilha para pedir ajuda a outro escoteiro que se feriu.

O caso chegou a ser arquivado em 1990 após o fim das buscas e foi desarquivado em 2021, após novos indícios abrirem duas linhas de investigação da polícia. De acordo com a família, a nova imagem foi feita com base nos relatos de pessoas que dizem ter visto o escoteiro e nos traços do irmão gêmeo.

A foto divulgada leva em conta uma das linhas de investigação da polícia que acredita que o menino possa ter tentado retornar para casa após se perder do grupo, mas não conseguiu. Há depoimentos de pessoas que dizem ter visto Marco Aurélio como andarilho em Taubaté.

Com base nisso, a família havia divulgado um primeiro retrato falado, que trazia uma simulação do jovem adulto e como morador de rua.

Histórico
Marco Aurélio Simon desapareceu na manhã do dia 8 de junho de 1985. Ele e outros três amigos, todos com 15 anos à época, faziam uma trilha como escoteiros ao cume do Pico dos Marins, o mais alto do estado de São Paulo, que fica na cidade de Piquete.

À época, polícia, bombeiros e equipes de inteligência fizeram buscas por 28 dias na área. Um inquérito foi aberto na Polícia Civil para investigar seu desaparecimento, mas terminou arquivado e sem resposta. Mais de 30 anos depois, com um novo depoimento, a polícia decidiu pela reabertura e investigação do caso.

A primeira linha já foi executada em parte, com uma escavação, que terminou sem o encontro de novos indícios. Ainda há uma área a ser escavada, mas é classificada como de preservação ambiental e, por isso, é necessária uma série de autorizações, que ainda não foram emitidas.

A segunda aponta suspeita de que estaria em Taubaté, depois de terem visto um morador de rua com os mesmos traços dele. À época do desaparecimento, havia depoimento de um motorista de ônibus que disse ter visto Marco Aurélio e ter dado a ele carona para ele.

A polícia tem ouvido pessoas que estavam com o menino à época, pessoas que disseram ter visto Marco Aurélio e mapeado penitenciárias e espaços de acolhida de pessoas em situação de rua em busca de informações.
Foto: Divulgação
Fonte: G1/Vale do Paraíba