SAAE consegue licenças ambientais e vai começar obra da ETE Central

O Serviço Autônomo de Água e Esgoto de Cruzeiro conseguiu todas as licenças ambientais necessárias junto a Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (CETESB) para poder começar as obras da Estação de Tratamento de Esgoto Central de Cruzeiro.

Sonho antigo da cidade, a ETE Central, que será responsável por tratar 90% do esgoto do município e vai mudar a história de Cruzeiro, terá sua obra iniciada no dia 29 de março e deverá ser concluída até 2023.

“É muito gratificante fazer parte desse momento histórico para o município e também para o SAAE. Quem ganha é a saúde da nossa cidade e o meio ambiente. Nós, juntos com o prefeito Thales Gabriel, ainda vamos trazer muitas outras conquistas para Cruzeiro”, comemora o Diretor Geral, José Kleber.

O complexo será construído na região central, atrás do antigo Café Solúvel, às margens do Rio Paraíba do Sul, com o compromisso de não interferir na Área de Preservação Permanente atendendo todos os padrões exigidos pela CETESB e demais órgãos responsáveis.

O espaço de aproximadamente 15 mil m² vai contar com sistema de tratamento de esgoto, prédio administrativo e laboratorial, viveiro, horta, sala de ambientalização e área arborizada para minimizar os impactos no meio ambiente e reduzir o odor na região. A construção da ETE Central será dividida em duas etapas, a primeira será feita com recursos próprios do SAAE, no valor de R$ 12.026.188,04 e a segunda vai contar com financiamento do Estado.

Neste mês de março, a Autarquia recebeu também o parecer positivo da CETESB junto ao FEHIDRO para a aprovação do financiamento de mais R$ 9,5 milhões. O valor histórico será utilizado na construção da segunda fase, com contra partida de R$ 504.000,00 da Autarquia.

A ETE Central é um compromisso do Prefeito Thales Gabriel. O projeto vai colocar Cruzeiro como referência quando o assunto for tratamento de esgoto. Vale ressaltar que a busca por mais esse convênio junto ao FEHIDRO mostra o empenho que o SAAE tem em melhorar o tratamento de esgoto da cidade e por consequência trazer melhorias também para o Rio Paraíba do Sul e outras bacias que sofrem com o despejo irregular.

“Com os 45% da primeira etapa com investimento do SAAE mais o recurso da segunda etapa, a cidade vai sair praticamente do zero para mais de 90% de esgoto tratado até 2023.
É um marco para nossa história e também para região, além de trazer alívio para os cofres públicos e garantir saúde para nosso meio ambiente e população”, finaliza o diretor geral do SAAE.