Professora de 30 anos morre vítima de Covid-19 em São José dos Campos

A professora da educação básica Carla Prado, 30 anos, é a terceira educadora do Vale do Paraíba a morrer vítima da Covid-19. Ela dava aulas na escola estadual José Frederico Marques, no Campo dos Alemães, na região sul de São José dos Campos, e morreu na noite desta sexta-feira (12). Ele deixa o marido e três filhos pequenos.

Carla estava internada desde 15 de fevereiro para tratamento da Covid-19, mas não resistiu à doença. O corpo foi velado no Velório Municipal Paraíso na sexta e o enterro está marcado para as 14h deste sábado (13), no Cemitério Municipal Colônia Paraíso, no Morumbi, na zona sul de São José.

Segundo dirigentes da Apeoesp, o sindicato dos professores da rede estadual, Carla tinha trabalhado no período de planejamento e no início das aulas presenciais, no começo de fevereiro, quando se infectou pelo coronavírus.

As aulas presenciais na rede estadual e municipal de São José dos Campos foram retomadas em 8 de fevereiro, no esquema de rodízio, e geraram críticas por parte dos sindicatos.

Desde então, três educadores da região morreram vítimas da Covid-19. A professora de geografia Maria Teresa Miguel Couto, 32 anos, morreu em decorrência da doença em 20 de fevereiro, após 10 dias internada no Hospital Municipal de São José dos Campos. Ela lecionava na rede estadual de ensino em Caçapava.

O professor de matemática Tadeu Machado, 42 anos, morreu no começo de março. Ele dava aulas na escola municipal Moacyr Benedicto de Souza, no Campo dos Alemães, na zona sul de São José. De acordo com o Sindicato dos Servidores Municipais, ele ficou uma semana internado e faleceu na madrugada de sábado (6).

As mortes provocaram aumento das críticas de membros da Apeoesp, entidade que defende a suspensão imediata das aulas presenciais até que haja a vacinação de funcionários e professores da educação. O Sindicato dos Servidores de São José tem a mesma postura.

“É mais uma morte, uma família destruída pela política genocida dos governos estadual e municipal, que insistem com aulas presenciais no pior momento da pandemia. Não podemos naturalizar o que está acontecendo no país”, disse Cleusa Trindade, conselheira estadual da Apeoesp. A entidade registra 2.279 casos confirmados de Covid-19 em 1.038 escolas estaduais.

SUSPENSÃO.

Na última quinta-feira (11), o governo estadual anunciou a suspensão das aulas na rede estadual entre 15 e 28 de março com a antecipação de dois recessos. As unidades permanecerão abertas para retirada de merenda e materiais, mas sem aulas presenciais.

A recomendação do Estado é para que as prefeituras e a rede privada também suspendam as aulas presenciais nesse período, em que vigorará a fase emergencial do Plano São Paulo, com mais restrições.

No entanto, a Prefeitura de São José dos Campos informou que irá manter as atividades presenciais realizadas desde o início de fevereiro. Segundo a Secretaria de Educação, nenhum surto de coronavírus foi identificado nas unidades desde o retorno das aulas presenciais. O município registra 17 casos positivos em alunos, que teriam sido infectados fora das escolas, além de 11 em profissionais da área da educação.

Fonte: OVALE

Foto: Arquivo Pessoal