Morre mulher que teve 90% do corpo queimado após ter casa incendiada por vizinho em Pinda

Morreu nesta quarta-feira (2) a mulher que teve 90% do corpo queimado após ter casa incendiada por vizinho em Pindamonhangaba (SP). Laysa Mara Ribeiro, 23 anos, estava internada no Hospital Regional, mas não resistiu aos ferimentos. As duas filhas seguem internadas em estado grave.

Laysa teve a casa invadida na segunda-feira (1°) por seu vizinho enquanto estava sozinha com as duas filhas – uma menina de seis anos e uma bebê de dois meses.

O homem teria invadido o imóvel para furtar itens e comprar drogas. Durante a ação, ele percebeu que havia pessoas na casa e ateou fogo em um colchão no quarto onde as vítimas estavam. Logo em seguida, ele fugiu. As três tiveram queimaduras de até terceiro grau pelo corpo.

A jovem foi socorrida pelo helicóptero Águia para o Hospital Regional, mas por volta das 18h desta quarta-feira (2) não resistiu e morreu. Laysa teve 90% do corpo queimado. O corpo dela vai ser velado no velório municipal de Pinda nesta quinta.

As filhas estão internadas em estado grave em hospitais com alas para queimados. A bebê de dois meses está internada no Hospital São Matheus, na capital; a irmã foi levada para o hospital em Limeira. As duas vão passar por cirurgia nesta quinta-feira (3).

O homem que ateou fogo no imóvel foi preso em flagrante após o crime. Ele está no Centro de Detenção Provisória (CDP) de Taubaté.

O crime

De acordo com a polícia, a invasão aconteceu na tarde de terça-feira (1°). Em depoimento, o homem contou que havia usado entorpecentes e que teria invadido o imóvel da família na tentativa de furtar itens. Ao entrar, percebeu que as três estavam no imóvel.

Ele alegou que, com a reação das vítimas gritando por socorro, teria ateado fogo em um colchão para fugir do local sem que chamassem a polícia. As vítimas estavam em um quarto que ficou completamente queimado.

Após o crime, o homem conseguiu fugir, mas foi flagrado pela Polícia Militar em uma obra onde trabalhava, em um bairro próximo ao local do crime. Ele era vizinho das vítimas há 20 dias.

De acordo com a Delegacia de Defesa da Mulher (DDM), que investiga o caso, há dúvidas sobre a versão de furto do homem. A polícia ainda aguarda resultados da perícia e exames.

O homem havia sido preso por tentativa de homicídio. Com a morte da vítima, ele vai responder por homicídio.

Fonte: G1

Foto: Arquivo Pessoal